6 álbuns que marcaram 2013

Quando chega final do ano todos os sites começam a fazer suas listas de retrospectiva, e aqui não seria diferente. Foi muito difícil escolher cinco álbuns, por isso selecionei os seis que marcaram meu ano de 2013, mesmo que eles não tenham sido lançados esse ano. Acho que música, antes de tudo, deve te fazer sentir, independente de quando foi lançada. Espero que vocês curtam.

Cansei de Ser Sexy – Cansei de Ser Sexy

Engraçado pensar que um dos álbuns que mais marcou esse ano foi lançado há 8 anos. Foi o primeiro trabalho da banda Cansei de Ser Sexy (agora somente CSS), e foi lançado em 2005 pela gravadora Trama Virtual. Lembro que ouvia bastante logo que lançou, na época ainda morava em Manaus. Voltei a ouvi-lo esse ano para fazer os trabalhos da faculdade, e viciei num ponto de colocar esse CD no repeat o dia inteiro.

As melhores: Music Is My Hot Hot Sex e Art Bitch
A dispensável: Poney Money Honey

Capa da edição internacional do CD

Halcyon – Ellie Goulding

Comecei a ouvir Ellie Goulding meio por acaso, pra mim ela era só a namorada do Skrillex (que eu amo!). Depois de ouvir Anything Could Happen, o primeiro single desse álbum, que foi lançado no dia 8 de outubro de 2012 no Reino Unido pela Polydor Records. Pronto, começava ai um dos meus maiores vícios de 2013. Passei meses ouvindo pelo menos uma vez ao dia o disco inteiro, até as faixas da edição deluxe. Esse ano, depois de atingir sucesso mundial, o álbum foi relançado com o nome de Halcyon Days e conta com mais 10 faixas inéditas.

As melhores: Anything Could Happen e Burn
A dispensável: Atlantis

Capa da edição deluxe do CD

Miami Horror – Illumination

Lançado em agosto de 2010, esse é um álbum que eu ouço bastante, mas esse ano ele se tornou mais importante pra mim. Foi meio que um “CD de fuga”: quando as coisas apertavam, colocava ele pra tocar e focava apenas no necessário, deixando o resto pra lá por um tempinho. É um dos poucos discos que eu consigo ouvir inteiro sem pular nenhuma música.

As melhores: Moon Theory e Holidays
A dispensável: Infinite Canyons

Pitanga – Mallu Magalhães

Esse disco foi uma ótima surpresa. Nunca levei muito a sério seus dois primeiros álbuns, por isso não esperava nada deste. Porém tive que dar o braço a torcer: esse trabalho da Mallu Magalhães é incrível! Lançado em setembro de 2011 pela Sony Music, mistura inglês e português em músicas bastante leves e com forte influência de seu marido, o ex-Los Hermanos Marcelo Camelo

As melhores: Olha Só, Moreno e Sambinha Bom
A dispensável: Cais

Filipe Catto – Fôlego

Não lembro bem como conheci o Filipe Catto, só sei que já era viciado no EP Saga antes de ele lançar seu primeiro álbum completo, intitulado Fôlego. Lançado em 2011 pela Universal Music, trás algumas regravações de faixas do EP e uma boa dose de músicas inéditas. Extremamente talentoso e intenso, é um dos melhores álbuns brasileiros lançado nos últimos anos. 

As melhores: Adoração, Redoma e Roupa do Corpo
A dispensável: 2 Perdidos

Flex Fantasy EP – Avan Lava

Festa é uma ótima palavra pra definir o Avan Lava. Lançado de forma independente em 2012, esse EP é tão incrível que vale por um álbum completo. O primeiro álbum completo da banda não tem data de lançamento, mas espera-se que seja em 2014. Eles tem um som eletro-pop maravilhoso, ótimo pra ouvir nesse período de festas de final de ano. É mais um daqueles que se ouve do começo ao fim sem pular uma música… 

As melhores: It’s Never Over e Sisters
A dispensável: Não tem! =D

Imagens: Reprodução

Post Author
Ianarã Bernardino
Ataco de Diretor Criativo, Designer & DJ. Também ataco de astrólogo (pros amigos) e de master chef (quando tô de bom humor). :)

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *