UNDRWTR por Ianarã Bernardino

14 de abril de 2015

Aproveitando o embalo do SPFW Verão 2016 resolvi dividir com vocês um pouco do meu trabalho. Esse é o primeiro que vou postar aqui e foi desenvolvido no meu último semestre da faculdade de Design, na matéria ‘Projeto de Produto VII‘, entre julho e novembro de 2014.

Este trabalho teve como objetivo a criação de três conjuntos de vestuário feminino a partir de texturas encontradas na natureza, valorizando o design e a criatividade. Fiz individualmente, e resolvi fazer cinco conjuntos ao invés de três pois senti que conseguiria um resultado melhor com mais looks. Cada equipe tinha um objetivo específico e eu tive a missão de utilizar três texturas vegetais para desenvolver o projeto, que foi proposto para o verão 2016.

Pensei logo nas algas marinhas como inspiração, pois relacionava-se com o reino vegetal porém saia do lugar comum (plantas terrestres). Utilizei tanto para estampas, quanto para texturas do tecido e recortes das peças. A palavra alga vem do latim e significa “erva marinha“. Existem diversos tipos, dentre eles as cianofíceas (algas azuis), no reino das moneras, e também as algas unicelulares eucariontes, no reino dos protistas, e as algas pluricelulares (feófitas, clorófitas ou rodófitas), classificadas dentro do reino das plantas. Todas elas realizam fotossíntese e, assim como as plantas terrestres, contribuem para o abastecimento do oxigênio da biosfera, sendo responsáveis por mais de 70% desse gás liberado diariamente na Terra. Desse modo, as algas são responsáveis, em grande parte, pela renovação do oxigênio do ar atmosférico e daquele que se encontra misturado na água, necessário aos seres aquáticos aeróbicos. As algas também constituem a fonte mais importante de alimento, direta ou indiretamente, para vários seres vivos aquáticos e também para algumas culturas, como por exemplo a cultura oriental.

Utilizei como inspiração, também, as roupas dos mergulhadores e a partir daí desenvolvi um painel com algumas imagens das minhas inspirações para ajudar no processo de criação. Lógico que não me limitei apenas às imagens contidas aqui, mas elas serviram como ponto de partida para o desenvolvimento das peças e estampas.

Painel de Inspiração

O público a que se destina essa coleção é composto por mulheres modernas e independentes que não tem medo de ousar, seja em suas escolhas profissionais ou na vida pessoal. Amam a moda, entendem dos seus processos e procuram posições no mercado de trabalho que as permitam se relacionar com – e consumir – esse universo. Vivem em grandes centros urbanos, como Nova Iorque, São Paulo, Paris, Londres e Tóquio, possuem vidas agitadas e valorizam bastante sua carreira profissional. Elas preferem qualidade à quantidade em todos os aspectos, não hesitando em pagar um alto preço por exclusividade, seja em um restaurante gourmet ou em uma peça de roupa de luxo. Gostam tanto de acessórios e peças atemporais quanto de acessórios e peças vanguardistas, misturando-os com equilibro para compor desde a decoração de suas casas até seus próprios visuais. Desenvolvi um painel de público-alvo, para definir visualmente quem é essa mulher que vai usar a roupa que eu vou criar.

Painel de Público Alvo

A partir dessas informações comecei a desenvolver a coleção em si. Desenhei 19 peças ao todo, e depois selecionei as que melhor se encaixavam na minha proposta. Aliás, esse é um método que funciona bastante pra mim: desenvolver as peças separadas, uma a uma, e depois ir fazendo uma espécie de styling até conseguir os looks da coleção.


Paralelamente aos desenhos, desenvolvi as estampas e a cartela de cores do meu trabalho. A maioria dos tons foram escolhidos a partir das propostas da Pantone para o verão 2016, e adicionei o preto, o branco e o azul marinho, por serem tons clássicos.

As estampas nasceram a partir do estudo das imagens e do movimento das algas. Criei duas estampas tradicionais e duas texturizadas, que serão prensadas no neoprene para que o tecido fique com a estampa em relevo. Além disso, a textura Microscopia será utilizada como gabarito para o bordado de algumas peças.

Textura 1 – Microscopia

Textura 2 – Movimentos

Como não éramos obrigados a fabricar as peças (processo que sairia bem caro e bastante demorado), resolvi não me limitar e utilizei vários tecidos e matérias-prima nobres para a minha coleção, afinal estava criando para um público exigente. Essa é uma parte bastante detalhada no projeto, que além da cartela de tecidos, ainda conta com desenhos técnicos e fichas técnicas. Porém,  vou pular essa parte e mostrar o resultado final da coleção, senão ficaria muito cansativo para quem não tem tanto conhecimento técnico.

Inclusive escolhi muitos materiais incomuns para coleções de verão, como o couro e o neoprene, porém com as novas tecnologias têxteis já é possível que essas matérias-prima sejam utilizadas no calor sem que faça a pessoa assar dentro da roupa, hehe.

O primeiro look é composto por um top de Bianchini de seda azul marinho com tiras de Georgete de seda em três tons de azul, emulando o efeito das algas no fundo do mar. Quando em movimento, essa peça terá o mesmo efeito da saia desse vestido, que aparece no documentário Valentino: The Last Emperor, de 2008. A saia é de Sarja com strech azul marinho, recortes laterais de Zibeline de seda e os detalhes na cintura são de couro. O zíper traseiro possui dois cursores, assim quem estiver usando poderá definir o tamanho da fenda da saia.

O segundo look é composto de um blazer, um top de malha e uma calça skinny. O blazer é feito de Zibeline de seda branco com Bianchini preto na gola, para criar diferença de texturas e movimento ao andar. O botão que fecha o blazer é de pressão e personalizado com o formato de uma alga. A camiseta é em Malha de algodão preta com detalhes transparentes em Georgete bordado com a textura que eu citei lá em cima. A calça é em Sarja com strech azul marinho e preto, com os recortes laterais em couro e o detalhe na cintura em Neoprene.

Peças separadas

O terceiro look é composto de um casaquinho de Neoprene texturizado com detalhes em couro e um vestido por baixo. O vestido é feito de Bianchini estampado nos detalhes frontal e traseiro, malha preta nas laterais, Neoprene branco na saia e na gola e as mangas em Georgete de seda.

Peças separadas

O quarto look é um macacão e uma das minhas peças preferidas da coleção. O Bianchini vem estampado com a outra estampa nos detalhes frontal e traseiro, as laterais em neoprene branco, a gola e mangas em Georgete bordado igual ao top do look 2 e a calça é feita em lã fria super 120, própria para peças de alfaiataria.

O quinto e último look é um cocktail dress de Neoprene texturizado nos detalhes frontal e traseiro, Bianchini estampado na lateral da cintura, a saia é de Cetim Duchese pregueado e as mangas e a gola são feitas de Vinil, para dar um ar levemente fetichista à peça.

Lembrando que resumi bastante o projeto da coleção para o post não ficar enorme, já que o memorial descritivo teve pouco mais de 50 páginas. A coleção foi intitulada UNDRWTR, que significa underwater (subaquático, em inglês), e está relacionada com a condição das algas, que desenvolvem-se em sua maior parte no fundo de mares e oceanos.

Gostaram do post? Se vocês curtiram, deixem comentários que logo logo eu posto mais algum trabalho meu por aqui. =) 

By Ianarã Bernardino

Apaixonado por moda, música e tudo que é novo e interessante. Diretor Criativo, Stylist, & Designer.

Leave a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *