#TemQueLer: Champagne Supernovas – Maureen Callahan

Quem me conhece sabe da minha leve obsessão pelo Alexander McQueen, sendo ele o principal motivo que me fez comprar o livro Champagne Supernovas, da escritora Maureen Callahan. O trabalho da autora é focado nas histórias de três gênios rebeldes que, de certo modo, personificaram as transformações dos anos 90: enquanto Kate Moss destronou as supermodelos da época, mostrando que havia beleza e glamour na imperfeição, Marc Jacobs e Alexander McQueen reagiram aos excessos que dominavam as coleções e criaram um estilo autêntico, quebrando regras e identificando (e lançando) tendências. Foi nesse período que o alternativo virou o mainstream, transformando-se em um grande negócio. Talvez a primeira vez em que páginas de revistas como Vogue e Harper’s Bazaar tenham estampado editoriais e matérias dedicadas a movimentos underground como o punk e o grunge e glamourizado a magreza extrema e uma atitude decadente tenha sido na década de 90, período que entrou para a história como o período dominado pela moda.

Marc Jacobs no final do desfile da coleção ‘grunge’, feita para a marca americana Perry Ellis. Essa coleção garantiu sua demissão.

Embora não tenha entrevistado diretamente os personagens centrais do livro, Mauheen conseguiu informações de bastidores com pessoas ligadas a Moss, Jacobs e McQueen. Entre os assuntos citados no livro estão o tumultuado romance de Kate com o ator Johnny Depp, os dois namorados que Marc Jacobs perdeu para o HIV e os fatores que acabariam levando Alexander McQueen ao suicídio, em 2010. Ao longo das páginas surgem outras duas figuras importantes do universo fashion: a extravagante Isabella Blow, que descobriu os talentos e ajudou a alavancar as carreiras de McQueen e Philip Treacy, e a fotógrafa Corinne Day, que fotografava Moss compulsivamente, abrindo as portas do mercado para a então new face.

A linguagem usada por Callahan é simples porém bastante enérgica e fluida, dando a sensação em muitos momentos que você está lendo uma matéria bem escrita de uma revista. O interessante foi que ela se debruçou sobre o lado mais humano desses três ícones, mostrando que enquanto suas carreiras decolavam e faziam sucesso mundial suas vidas pessoais não eram nada glamourosas. Um ponto que pra mim deixou a desejar (mas não interferiu tanto no resultado final) foi a ausência de imagens nessa publicação, afinal mesmo que o foco não fosse a moda em si, fiquei bastante curioso para ver certas pessoas que são citadas e fotos de algumas passagens que, tenho certeza, devem estar guardadas em algum acervo.

alexander-mcqueen-nick-knight
Alexander McQueen fotografado por Nick Knight para a revista The Face, em 1998.

Eu amei muito esse livro, foi como se eu finalmente tivesse encontrado a minha turma, além de humanizado bastante essas três pessoas das modas. Acredito que quem ama moda vai gostar bastante, mas se você não for tão fissurado nesse universo quanto eu, vai curtir também, afinal quem não gosta de uma boa fofoca regada a sexo, drogas e rock’n’roll? 😉

Achei minha turma, finalmente <3 #fashion #book #KateMoss #McQueen #MarcJacobs

Uma foto publicada por Ianarã Bernardino (@ianarabernardino) em

Fotos: Reprodução

 

Post Author
Ianarã Bernardino
Apaixonado por moda, música e tudo que é novo e interessante. Diretor Criativo, Stylist, & Designer.

Leave A Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *